Previdência Social. Reformas. Reformas e mais reformas. Até quando?

As reformas previdenciárias estão na pauta do dia há mais de quinze anos. Por mais que se faça reforma nunca tem sido suficiente para resolver os problemas do tão falado déficit. Mas por que isso ocorre? Porque as reformas são superficiais, sem um verdadeiro estudo técnico, sem planejamento de longo prazo e, na grande maioria, sem respeitar o direito daqueles que já estão no sistema.

As aposentadorias por tempo de contribuição sem idade mínima são o alvo da próxima reforma. Mas, há menos de seis meses, foi publicada uma nova lei (13.183/15), que incluiu mais uma modalidade de cálculo do benefício àqueles que completarem os pontos necessários para obter a integralidade na renda, a fórmula 85/95. Ou seja, mal acabamos de receber a mudança e já falam em outra iminente. Isso gera instabilidade e uma enorme insegurança àqueles que, em tese, já se preparam para a tão sonhada aposentadoria.

As reformas previdenciárias estão na pauta do dia há mais de quinze anos. Por mais que se faça reforma nunca tem sido suficiente para resolver os problemas do tão falado déficit. Mas por que isso ocorre? Porque as reformas são superficiais, sem um verdadeiro estudo técnico, sem planejamento de longo prazo e, na grande maioria, sem respeitar o direito daqueles que já estão no sistema.

As aposentadorias por tempo de contribuição sem idade mínima são o alvo da próxima reforma. Mas, há menos de seis meses, foi publicada uma nova lei (13.183/15), que incluiu mais uma modalidade de cálculo do benefício àqueles que completarem os pontos necessários para obter a integralidade na renda, a fórmula 85/95. Ou seja, mal acabamos de receber a mudança e já falam em outra iminente. Isso gera instabilidade e uma enorme insegurança àqueles que, em tese, já se preparam para a tão sonhada aposentadoria.

Dra. Adriane Bramante

 

Fonte: Gazeta do Povo

Compartilhe:

Voltar

 

Desenvolvido por In Company